Blog > Inovação e Tecnologia> Inovação para empresas: tudo o que você precisa saber

Inovação para empresas: tudo o que você precisa saber

Inovação para empresas: tudo o que você precisa saber

 

Quando falamos em inovação, muitos já pensam em empresas gigantes da tecnologia conhecidas pelos carros autônomos, por exemplo. No entanto, ela pode ser muito mais acessível do que se pensa, presente na utilização de aplicativos e soluções mais atualizadas, no replanejamento de processos, entre outros. Além disso, hoje ela é um dos requisitos mais importantes em um negócio, sendo essencial para mantê-lo competitivo. Para entender um pouco melhor, é importante começar explicando o que exatamente é inovação.

 

O que é inovação e por que é importante para uma empresa?

Apesar de poder ser vista como um capricho ou algo destinado a negócios de sucesso que têm capital sobrando, na verdade a inovação é para todos. É com ela que se torna possível melhorar produtos, reduzir custos, trazer novas soluções, otimizar processos e mais. Para isso, não é preciso necessariamente um investimento em dinheiro, mas sim em tempo: tanto de uma equipe dedicada como também para treinar toda a empresa a pensar fora da caixa.

Antes de entrar a fundo em como aplicar a inovação, é importante entender exatamente o que ela é.

 

O que é inovação?

 

Inovação em uma empresa não se limita a ideias geniais e disruptivas. Dificilmente o seu negócio será a próxima Apple ou Netflix, mas isso não significa que ele não deve ser inovador.

A questão é: inovação é muito mais um processo e um posicionamento da empresa do que somente seus resultados. Ela é composta de uma constante busca por solucionar problemas de forma mais eficiente. No caso, esses problemas não se limitam aos produtos ou serviços ofertados, mas vão desde gargalos internos, como processos lentos ou ultrapassados, a melhorias externas, como no atendimento ao cliente ou nas tendências que estão surgindo no mercado.

Hoje, é muito comum que a inovação tome duas formas principais: uma por meio da gestão e outra, da cultura da empresa.

 

Gestão de inovação

 

Essa é a forma de inovação que conta com o gerenciamento de novas iniciativas dentro de um negócio. Nela, é muito comum ter um time dedicado a estudar as oportunidades da empresa, tanto internas como externas, e permeando todas as áreas, especialmente as mais necessitadas ou com mais gargalos nos processos.

Assim como em qualquer parte da empresa, a gestão de inovação deve funcionar de forma estratégica, ou seja, estabelecendo metas, responsáveis e ações para alcançar os objetivos previamente definidos.

 

Cultura de inovação

 

Diferente da gestão, na cultura a inovação é diluída. O objetivo dessa estratégia é que ao invés de ter só um time responsável por pensar em ideias novas, todos os colaboradores sejam capazes disso. Dessa forma, é possível que sejam identificados até problemas ou gargalos mais específicos de cada área, já que os profissionais que lidam com eles diariamente poderão apontá-los mais facilmente.

Ao mesmo tempo em que é uma ótima forma de inovação, ela necessita de um esforço a mais. Isso porque, para fazer parte da cultura da empresa, a inovação deve ser estimulada em todos os níveis dela, começando pelas lideranças. Além de dar o exemplo, provocando o time a pensar fora da caixa, é importante que líderes também forneçam treinamentos de criatividade e workshops focados em inovação.

Uma forma não exclui a outra: é possível que uma empresa tenha uma área de gestão de inovação e cultive uma cultura igualmente inovadora. Essa estratégia em conjunto pode inclusive ser bastante potente, uma vez que há uma equipe formalmente liderando os projetos ao mesmo tempo em que pode receber ideias e sugestões constantemente do resto da empresa.

 

Qual a importância da inovação?

 

A importância da inovação para os negócios é bem vasta, mas talvez o motivo principal por trás de tudo é a velocidade do mercado hoje. Com o desenvolvimento acelerado das tecnologias e das empresas, inovar é cada vez mais necessário. Afinal, é importante fazê-lo simplesmente para acompanhar outros concorrentes e evitar ficar para trás. Em outras palavras: sem ela, uma empresa torna-se obsoleta em pouquíssimo tempo.

Mas a importância da inovação não se resume ao básico, ela também entra no momento em que um negócio não quer só se manter no mercado, mas quer se destacar. É por meio de novas apostas na forma de fazer os processos, de pensar nos produtos e de atender ao público que isso é possível. O resultado são soluções mais eficientes e clientes mais satisfeitos. 

Também é indispensável comentar sobre a tecnologia, que é grande aliada no processo de inovação de uma empresa, adicionando dinamismo às atividades e eliminando gargalos. Com ela, é possível realizar atividades mais rapidamente e com menos erros. Por exemplo: se o fluxo de caixa é realizado manualmente em uma planilha no computador, a chance de cadastrar informações erradas é muito alta, além de não ser escalável ou capaz de acompanhar o crescimento do negócio. Já com um programa que seja capaz de automatizar essa atividade, os erros diminuem e os profissionais antes responsáveis por ela podem ser realocados para tarefas mais estratégicas.

A velocidade que a tecnologia traz acaba sendo crucial na importância da inovação também por outro motivo. Em uma época em que as mudanças são muito rápidas e as novidades envelhecem em um piscar de olhos, é essencial ter uma empresa pronta para acompanhar qualquer tendência que possa surgir. Ou seja, quanto mais inovadora, mais chance ela tem de se manter à frente e de ter sucesso.

Além de tudo isso, há ainda outro aspecto para comentar sobre a importância da inovação para uma empresa: colaboradores motivados. Como citamos, com a tecnologia as equipes são cada vez mais necessárias nas tomadas de decisão da empresa e em tarefas estratégicas, deixando de realizar trabalhos repetitivos por exemplo. Mas não é só isso que pode motivar os colaboradores. 

Com uma cultura de inovação, todos se sentem parte importante da empresa. Afinal, a partir de ideias e sugestões qualquer colaborador pode ter a chance de ajudar o negócio e a crescer junto com ele. O resultado são equipes focadas não só em apenas realizar o próprio trabalho, mas em fazer o negócio prosperar.

No entanto, é preciso cuidado. Afinal, uma vez decidido que a empresa apostará em inovação e para isso envolverá todas as equipes, é de extrema importância que ela demonstre que escuta as ideias e as põem em prática. Caso contrário, o incentivo à inovação cairá na descrença e a motivação dos colaboradores também sofrerá consequências.

 

Inovação: quais os benefícios para uma empresa?

A inovação é uma estratégia que de preferência deve ser adotada por todas as empresas, tanto para buscar oportunidades valiosas no mercado como também para melhorar processos internos e aumentar a eficiência deles. Em outras palavras, incentivar a inovação pode trazer inúmeros benefícios, que vão desde se destacar no mercado e atrair novos clientes até reduzir custos e aumentar a velocidade do negócio no geral.

Confira quais os principais benefícios da inovação abaixo:

 

Manter-se competitivo

 

O principal benefício da inovação é ter um negócio competitivo. Por si só esse já engloba vários outros itens que serão abordados nessa lista, mas é impossível não mencioná-lo. Seja por ter processos mais eficientes, por apostar constantemente em tendências do mercado ou por usar tecnologias avançadas, uma empresa inovadora tem grandes chances de sobreviver. Mas manter-se competitivo não deve se limitar à simples existência no mercado, mas também a se destacar nele.

Assumindo riscos e testando novas estratégias, uma empresa tem mais oportunidades de sair à frente dos concorrentes. É aqui que é possível ampliar o diferencial dela, seja apostando na qualidade dos produtos, no atendimento aos clientes ou no preço baixo.

No entanto, para se manter competitivo e oferecer um diferencial, é preciso que o negócio estude tanto como melhorar internamente como o que é valorizado no mercado no momento. Por exemplo, pode ser que nenhum concorrente (e nem o seu negócio) tenha um bom atendimento ao cliente. Dessa forma, além de ser uma necessidade que já existe, há ainda a oportunidade de ganhar um reconhecimento rápido do público-alvo.

Dependendo do foco para onde a inovação for direcionada e se ela for bem recebida, há maiores chances de crescer, ficando conhecido no ramo de atuação, ganhando mais clientes e tornando-se referência no mercado.

 

Ficar à frente de tendências

 

Se há uma coisa que todo empreendedor deve fazer é ficar por dentro das principais tendências do mercado em que atua. E, se você já faz isso, saiba que esse é um passo importante para inovação – e que hoje está muito mais fácil do que há alguns anos.

Com a internet, acompanhar e buscar quais as tendências que estão surgindo é muito mais simples. Afinal, enquanto antes era preciso basear-se em revistas ou programas de televisão, hoje basta abrir o navegador. Opções não faltam: sites especializados, blogs e artigos de profissionais renomados e, claro, as redes sociais. Aqui, uma ótima dica é ter um perfil ativo no LinkedIn, seguindo especialistas e empresas do ramo e participando de grupos para acompanhar as discussões mais quentes do momento.

 

Ter ideias boas e uma equipe motivada

 

Uma empresa que ao implantar estratégias de inovação envolve os próprios colaboradores têm mais chances de conseguir melhores ideias assim como de manter a equipe motivada. O que acontece é que ao incentivar o negócio como um todo a inovar, os profissionais passam a ter um papel mais ativo, com a possibilidade de propor mudanças efetivas.

As mudanças propostas por colaboradores são muito importantes. Pode ser que nem todas possam ser postas em prática e que seja preciso priorizar, mas é essencial que sejam ouvidas e consideradas. Afinal, qual a melhor fonte para entender sobre problemas existentes senão as próprias pessoas que lidam com eles diariamente? São nessas propostas de profissionais da empresa que gargalos que não eram nem visíveis possam ser solucionados, ganhando mais agilidade para o negócio e aliviando o trabalho dos envolvidos.

Juntando isso ao fato das ideias dos colaboradores serem postas em prática, o resultado é uma equipe motivada. Em outras palavras, ela sabe que será ouvida e que as sugestões poderão melhorar não só o seu dia a dia, mas a empresa como um todo.

 

Aumentar a eficiência

 

Ideias boas não resultam somente em uma equipe motivada. Muitas vezes, elas são o diferencial para otimizar processos e, com isso, aumentar a eficiência da empresa como um todo. Seja utilizando tecnologia ou simplesmente apostando em formas alternativas de realizar determinadas tarefas, o importante é que a iniciativa tenha resultados positivos. Alguns dos mais comuns são maior produtividade em menor período de tempo, baratear a produção sem precisar mexer no preço dos produtos finais, entre outros.

Um exemplo do aumento de eficiência é o controle de estoque. Manualmente é preciso contar os números de produtos disponíveis, assim como atualizá-los sempre com as entradas e saídas, e precisar ficar de olho no momento de encomendar mais matéria-prima. Erros como quantidade de produtos em estoque que não condiz com a realidade ou atraso para encomendar no fornecedor são comuns, por exemplo.

No entanto, se a empresa apostar em inovação e contratar um aplicativo para gestão de estoque, ele poderá fazer o controle dos produtos e, se estiver com números baixos, poderá enviar um pedido com as peças necessárias automaticamente para o fornecedor. 

 

Maior retorno sobre investimento

 

Aumentar a eficiência, por sua vez, é capaz de aumentar o retorno sobre investimentos realizados na empresa. Em outras palavras, é possível que a produção seja muito maior com a mesma quantidade de custos e gastos no geral. Para se ter uma noção, pelo simples aumento de velocidade ao realizar uma atividade é possível que a lucratividade já prospere. Quando falamos em trazer essa inovação para todo o negócio, as chances de que no total os gastos diminuam consideravelmente são grandes.

É muito comum que ao analisar se uma área precisa ser otimizada sejam encontrados gargalos que atrapalham toda uma cadeia produtiva. Trazendo novamente o exemplo do estoque: se os cálculos não estiverem certos, é possível que a empresa esteja gastando muito no armazenamento de um número desnecessário de produtos. No caso, com um processo mais eficiente, ela poderia ter um estoque bem menor que seja compatível com a média de vendas. Como consequência, é possível diminuir os custos com o espaço, alugando um menor ou dispensando esse gasto.

Esse exemplo pode ser aplicado para diversas áreas e processos da empresa e, dependendo do impacto de cada um, pode significar uma quantia considerável de dinheiro que ela está perdendo. Portanto, é essencial ter um olhar atento a isso.

 

Se você está gostando desse conteúdo, confira também nossos guias completos sobre Gestão de Pessoas; Gestão Financeira; Burocracia nas Empresas; Marketing e Vendas; e Gestão de Processos.

 

Quais os tipos de inovação que podem ser aplicados em uma empresa?

Engana-se quem pensa que inovação é uma ideia disruptiva que surge do nada. Pelo contrário! Ela deve ser incentivada para gerar resultados que vão de encontro aos objetivos do negócio. Além disso, não é todo tipo de inovação que se adequa a qualquer empresa. No entanto, antes de falar dos principais tipos de inovação é preciso entender antes que ela pode seguir duas vertentes diferentes: inovação aberta ou fechada.

 

Inovação aberta e inovação fechada: o que são e quais as diferenças

 

A inovação aberta é um modelo mais colaborativo, no qual um grupo de organizações – empresas, universidades, consultorias – se juntam para proporcionar uma troca de conhecimento tanto para encontrar uma solução específica como para a elaboração de pesquisas que pode beneficiar todos os envolvidos. Essa forma de inovação é muito interessante pois acaba unindo não só a capacidade intelectual interna de um negócio como dos outros envolvidos também, ampliando o conhecimento e também trazendo formas diversas de pensar.

É importante deixar claro que a inovação aberta não é para as empresas que procuram ser pioneiras em algo, uma vez que o conhecimento será compartilhado. No entanto, ela é uma boa pedida para negócios que querem aumentar as chances de inovar sem gastar muito dinheiro na retenção e contratação de grandes especialistas do mercado.

Já a inovação fechada, como o próprio nome diz, aposta na promoção de pesquisas internas e preservação de resultados, sem compartilhá-los com nenhuma outra organização ou ter ajuda delas. Esse modelo é mais competitivo e muitas vezes é adotado por empresas de tecnologia para manter sigilo das novidades. Ao mesmo tempo em que pode ser mais exclusivo, ele também conta com alguns contras.

Um deles é o fato de que ele é custoso, uma vez que para promover inovações verdadeiramente disruptivas é preciso contar com uma equipe de profissionais cobiçados pelo mercado. Ou seja, salários e benefícios altos para atraí-los e também retê-los por mais tempo. Outro contra é o perigo de um olhar único e não inovador, uma vez que como a equipe trabalha no mesmo lugar e tem experiências similares no dia a dia pode ignorar outra forma de abordar uma situação.

 

Principais tipos de inovação

 

Independente se ela será aberta ou fechada, há diversos tipos de inovação que podem ser adotadas em uma empresa, cada uma com o seu foco e objetivo. Confira alguns dos principais:

 

Inovação tecnológica

 

Tecnologia não é indispensável para inovar em uma empresa, mas ela pode ser um dos caminhos mais rápidos para quem quer começar, sendo uma opção que também permeia os outros tipos de inovação. Para implementá-la é possível que tanto a solução seja criada internamente por um time de profissionais da área ou contratada, dependendo da oferta que for mais vantajosa para o negócio.

Como dito, é uma das formas de inovar que traz resultado mais rápido, ainda mais se antes a empresa contava com processos obsoletos. Por exemplo, se o atendimento ao cliente era feito manualmente mesmo depois de um crescimento considerável do negócio, a implementação de um chatbot poderá ser um divisor de águas. Isso porque com ele as respostas serão mais rápidas, haverá menos reclamações e também será possível filtrar casos mais complexos, que exigem um atendimento personalizado, dos simples, que uma resposta automática já é capaz de ajudar.

 

Inovação em processos

 

Outra inovação que é muito comum e extremamente útil para empresas é a que foca nos processos. Esse é um tipo muito importante da estratégia de inovação, uma vez que alguns processos podem permear várias áreas e, se tiverem muitos gargalos, afetar a produtividade de todas elas. Nela, o que importa é estudar os principais procedimentos da empresa e quão eficientes e modernos eles são. 

Por exemplo, a maioria dos processos dentro de uma empresa podem precisar de algum tipo de formalização, muitas vezes contratos ou outro documento, para serem postos em prática. Para agilizar essa parte que pode ser um gargalo para novos projetos, há a opção de contratar programas de gestão de documentos. Essas soluções geram modelos de contratos de forma mais rápida que podem ser assinados digitalmente e armazenados online.

 

Inovação em serviços e produtos

 

Há maneiras de promover inovação de forma significativa no que é oferecido para o público-alvo de um negócio, seja serviços ou produtos. Em ambas o processo deve ser focado em oferecer uma boa experiência para o cliente, então contar com um atendimento rápido e eficiente sem dúvida melhora a imagem da empresa, assim como também pode ajudar a fechar mais negócios em um curto período de tempo. Inovações como a utilização de recursos como o WhatsApp Business ou a implementação de chatbots podem ser um diferencial.

Em serviços especificamente, é importante facilitar ao máximo a contratação por parte do cliente. Isso pode ser feito por meio de sites, onde é indicado que as informações sejam disponibilizadas e também onde possa ser possível fazer a contratação dos serviços de forma automática e prática.

Já em relação aos produtos, é interessante que a empresa busque inovar na matéria-prima, assim como em oferecer utilidades diferenciadas e atender outras necessidades que clientes possam ter. Aqui vale entender bem qual o público-alvo da empresa e o que os produtos concorrentes têm – e principalmente o que eles não têm.

 

Inovação de marketing

 

Marketing é uma parte essencial de qualquer negócio e exatamente por isso é um dos focos mais importantes de inovação. Por isso, é bom repensar em toda a estratégia utilizada e quão atualizada ela está. Nessa área é possível inovar tanto com ferramentas especializadas focadas em retenção de clientes, como e-mail marketing, assim como utilizar redes sociais – grandes aliadas por permitirem inúmeros formatos de publicidade e terem um alcance de público considerável.

Uma ideia é criar um plano de marketing que traga inovação para o atual, focando não só em vendas diretas, mas no conhecimento da marca pelo público, apostando em estratégias de conteúdos, assim como canais em que ela ainda não tinha presença e por aí vai. O mais importante, claro, é levar sempre em consideração o público-alvo – seus gostos, lugares que frequenta e interesses no geral.

 

Passo a passo de como aplicar inovação em uma empresa

Inovação é essencial para qualquer empresa que deseja se manter competitiva no mercado. Os benefícios de inovar são inúmeros, podendo impactar não só na liderança do negócio em relação aos concorrentes como também melhorar a eficiência dos processos e ter colaboradores mais engajados.

No entanto, aplicar a inovação em uma empresa não é exatamente simples. Para ajudar, reunimos alguns passos que podem deixar o percurso mais fácil. Confira:

 

1º Faça um diagnóstico da sua empresa

 

Para por inovação em prática é preciso antes de tudo entender quais são as áreas que mais estão necessitadas, seja por contarem com tecnologias obsoletas, seja por terem alguns gargalos ou outros motivos. Esse momento marcará o ponto de partida para a implementação da inovação na empresa, então quanto mais detalhado e com dados confiáveis, melhor.

Para realizar essa avaliação é importante que sejam consultadas pesquisas de mercado, assim como feitos estudos da concorrência. Aqui é preciso frisar que as empresas a serem consideradas para a análise devem ser as mais inovadoras do setor, uma vez que esse é o principal quesito da avaliação. Além disso, a inovação delas de preferência deve permear o negócio como um todo: de processos a cultura!

 

2º Defina um plano de inovação e as principais estratégias

 

Nesse passo, já é possível ter uma noção de quão inovadora sua empresa é e onde exatamente ela precisa chegar. Por isso, é indicado fazer um plano e traçar estratégias para alcançar o patamar desejado. Durante esse planejamento será preciso organizar as necessidades do negócio em ordem prioritária, assim como ter um objetivo principal bem definido. Por exemplo: se o objetivo é ganhar velocidade, talvez contratar aplicativos de gestão de documentos pode ser uma boa pedida para acelerar processos burocráticos.

Aqui também é o momento de definir metas para a inovação. Seguindo o exemplo anterior, se o objetivo for acelerar, uma possível meta pode ser reduzir em 20% o tempo gasto para aprovação de contratos no período de até três meses. Isso pode e deve ser feito para várias áreas da empresa, dependendo do foco da estratégia.

Lembre-se que é possível ter mais de um objetivo para o plano de inovação, mas o importante é que haja também profissionais suficientes para pô-los em prática e supervisioná-los para não serem mal executados ou esquecidos.

 

3º Treine os colaboradores para serem inovadores

 

Saber inovar não é tão simples, mas há formas de incentivar essa atividade dentro de uma empresa. Uma delas é recompensar ideias de melhorias ou de iniciativas que possam inovar de alguma forma, seja com algum benefício ou bônus. Outra é criar workshops ou promover oficinas focadas em incentivar e promover inovação, trazendo cases do mercado ou realizando trocas de ideias.

As alternativas citadas acabam gerando custos, nem que seja pelo simples fato dos colaboradores não estarem produzindo nos momentos de treinamento. No entanto, esse investimento de tempo e capital acaba sendo decisivo ao longo do caminho, gerando não só mais ideias como inovações que sejam realmente interessantes e úteis. Afinal, os colaboradores são as pessoas mais indicadas para identificar gargalos que enfrentam no dia a dia.

 

4º Capacite as equipes para as ferramentas e estratégias

 

Se o seu plano de inovação conta com tecnologia e novas ferramentas, certifique-se que elas serão implementadas com sucesso. Ou seja, que toda a equipe que precisar usá-las saiba como e não tenha dificuldades no cotidiano – o que por sua vez poderia levar a um novo gargalo. 

Para capacitá-los, uma alternativa é oferecer cursos online ou tutoriais que ensinem a como tirar melhor proveito das ferramentas e também ter pelo menos um profissional que possa ajudar a tirar possíveis dúvidas que surgirem. Durante esse treinamento é importante que o uso dessa inovação seja incentivado, em outras palavras, que fique claro o valor e benefícios dela para ajudar no trabalho.

O mesmo vale para estratégias inovadoras no geral, que não necessariamente contam com aplicativos, mas talvez diferentes formas de realizar um processo. Afinal, se a equipe está alinhada com as novidades, seus benefícios e funcionamento, há mais chances de sucesso.

 

5º Certifique-se que há comunicação com os clientes

 

Uma empresa geralmente procura solucionar algum tipo de problema com uma solução, seja ela em forma de produtos ou serviços. No caso, esses problemas são enfrentados por pessoas que formam o público-alvo do negócio e, por isso, devem ficar satisfeitas com as soluções oferecidas. Em outras palavras, os clientes são uma das melhores fontes para ideias de inovação que possam existir.

Além de enfrentarem os problemas, eles também são constantemente expostos a concorrentes do seu negócio, o que faz com que eles também tenham uma boa noção de outras novidades que têm no mercado. Por isso, certificar-se que há um canal de comunicação com os clientes, por onde eles sentem liberdade de enviar críticas e sugestões é uma das melhores formas de garantir que a inovação está indo para o caminho certo.

Isso pode ser feito tanto via redes sociais como também por meio de pesquisas de feedbacks, enviadas por e-mail ou divulgadas nos canais de atendimento. Esse tipo de interação pode gerar resultados muito valiosos para o negócio.

 

6º Faça com que a inovação se torne natural

 

Para ter um negócio que aposta em inovação é importante saber que esse é um processo que não tem exatamente um fim, pelo contrário. Ele deve ocorrer de forma constante, sempre fazendo novos diagnósticos, traçando novos planos, atualizando estratégias antigas, pesquisando soluções mais eficientes. Da mesma forma, o treinamento e capacitação das equipes são necessárias com regularidade, seja pela atualização de aplicativos, seja pela entrada de novos colaboradores.

Se a inovação não se tornar parte da rotina da empresa, não é possível dizer que ela foi implementada com sucesso, somente que foi usada em momentos pontuais. O problema dessa situação, no caso, é exatamente o negócio ficar constantemente para trás, atrasado em relação a concorrentes, a tendências e ao mercado. Como resultado, o trabalho gerado é maior, uma vez que de tempos em tempos é preciso provocar inovação do zero.

 

Quais são os erros mais comuns na inovação em empresas e como evitá-los

Sem dúvida, um negócio que aposta em inovação tem grandes chances de se destacar no mercado. No entanto, são vários os erros comumente cometidos quando uma empresa tenta inovar. Para não cair nessas armadilhas, conheça quais são os mais comuns e como evitá-los. Confira:

 

Não estar disposto a mudar

 

Apesar da mudança ser pré-requisito para todos os negócios que desejam aplicar inovação, há muitos que não estão tão abertos à possibilidade. É comum ter áreas e pontos mais sensíveis na empresa que empreendedores ou colaboradores se recusem a alterar. Isso pode ser motivado tanto pelo apego a como as coisas funcionam como também pela descrença que uma mudança trará tantos benefícios.

Esse tipo de situação é um dos erros mais comuns enfrentados pela inovação. Por isso, uma forma de combatê-lo é exatamente reforçar as análises que apontam a necessidade de melhorias, assim como envolver as equipes afetadas nas estratégias. Dessa forma, poderá existir uma abertura e adesão maior à novidade.

 

Ter medo de errar

 

Outra questão muito comum é o medo de errar, o que pode ser fatal para a inovação. É compreensível, uma vez que empresas, ainda mais no estágio inicial, são estruturas frágeis que qualquer erro é capaz de levar à falência. Ao mesmo tempo, sem arriscar não há como inovar e o mais indicado é fazer experimentos para testar ideias antes de pô-las 100% em prática.

Aqui vale lembrar da máxima do Falhe Rápido, muito comum no universo das startups. Segundo ela, é preciso inovar e testar várias ideias, mas não de qualquer jeito. Pelo contrário, uma vez aplicada a mudança é ideal que exista um acompanhamento de perto. Assim, nos primeiros sinais que mostrem que ela não está funcionando seja capaz de parar e repensar a estratégia.

 

Não ser flexível

 

Flexibilidade é uma qualidade que deve ser desenvolvida em todos os empreendedores, principalmente os que querem apostar em inovação. Ela está muito relacionada à mudança e ao medo de errar. Afinal, para aplicar alterações nos processos e correr o risco de falhar é preciso ser maleável e se adaptar rapidamente às situações.

A ausência de flexibilidade em um negócio pode fazer com que ele perca oportunidades e não seja capaz de ver o cenário em sua totalidade, focando fixamente em algo que nem é a melhor opção. Uma dica para evitar essa situação é sempre pesquisar sobre o mercado, concorrentes e outras tendências, o que pode dar uma ideia mais clara de possíveis adaptações nas estratégias atuais do negócio.

 

Focar somente nos ganhos

 

De fato, a inovação é uma forma de melhorar um negócio e consequentemente trazer mais possibilidades de sucesso para a empresa. O que, em outras palavras, pode significar uma maior lucratividade. No entanto, ela também é importante para para os clientes e colaboradores.

Por exemplo, com inovação sendo aplicada em uma empresa, há mais chances dela oferecer produtos e experiências melhores para os clientes. Já em relação aos colaboradores, ela pode facilitar o dia a dia, tornando o trabalho mais otimizado e permitindo que eles foquem em questões mais relevantes e menos automáticas.

 

Não pedir ajuda

 

Começar a empreender geralmente não tem muito jeito: o empreendedor é obrigado a fazer tudo, desde burocracias até gestão financeira e por aí vai. No entanto, conforme o negócio vai crescendo e a equipe aumentando, é muito comum que empreendedores tenham dificuldade de delegar tarefas e obrigações, querendo continuar a centralizar tudo nas próprias mãos. Isso também acontece com a aplicação da inovação.

Ter todas as responsabilidades nas mãos de uma pessoa é impraticável no longo prazo, podendo trazer grandes problemas para a empresa. Dessa forma, o jeito de evitar essa situação é contratar lideranças confiáveis e manter um acompanhamento próximo mas não tão constante das tarefas.

 

Não ouvir outras opiniões

 

Muito similar ao item anterior, é comum errar por acreditar que já domina determinado assunto e não estar aberto a ouvir outras opiniões. Esse talvez seja um dos piores erros na hora da inovação, uma vez que é a partir das diferentes ideias e visões sobre um problema que surgem as ideias disruptivas. 

Portanto, esteja aberto a críticas e sugestões! Não as encare como algo negativo, mas como oportunidades de melhorar ainda mais o seu negócio e de fato ser capaz de inovar nele.

 

Não promover troca entre os colaboradores

 

Um dos ingredientes para inovação é exatamente a troca de conhecimento entre profissionais diferentes, que agregam opiniões e experiências variadas e, assim, geram resultados inesperados. É exatamente por causa desses motivos que não promover a troca entre colaboradores de áreas diversas pode prejudicar a empresa que quer inovar.

Para evitar esse cenário, uma opção é formar times multidisciplinares, com profissionais de especialidades diferentes, ou também promover a integração entre as áreas da empresa, por exemplo, propondo reuniões de ideias envolvendo equipes diferentes. Aqui é importante focar em promover a colaboração entre todos, exatamente para acabar com qualquer atmosfera competitiva que possa existir e para as ideias fluírem naturalmente.

Dessa forma, é possível que as equipes foquem em um só objetivo e entendam que juntas têm mais chances de alcançá-lo. Nessa integração, cria-se um ambiente muito propenso à inovação.

 

Depender de investimentos para inovação

 

Há muitas pessoas que acreditam que inovação somente é possível com uma boa quantia de dinheiro e esse erro é bem comum. Geralmente essa imagem está associada a casos de grandes empresas de tecnologia, que lançam tendências todo ano e inovam constantemente devido ao mercado competitivo. No entanto, mesmo elas começaram de forma simples e com inovações que não dependiam de muitos recursos, mas sim de uma nova forma de fazer as coisas.

Portanto, ao invés de se apegar a investimentos e limitar o potencial da empresa por causa disso, busque maneiras de inovar sem depender de capital. Um bom exemplo é focar em gargalos que a empresa possa ter e como resolvê-los, pois mesmo contratando soluções tecnológicas é possível economizar recursos que poderiam estar parados ou não estar rendendo como deveriam.

 

Inovação é para todos

Apesar de complexa, a inovação deve ser feita por todos os negócios independente do tamanho ou quantidade de recursos. Ideias diferentes e também aplicação de tecnologia podem ser um diferencial para o negócio, além de deixá-lo mais ágil e competitivo. Por isso, não deixe de aplicar as dicas de inovação desse artigo para ter uma empresa de destaque!

Política de Privacidade